1 a cada 3 pobres europeus será espanhol em 2025, diz ONG

Espanhóis procuram emprego

 

Espanhóis procuram emprego: segundo estudo, a Espanha poderia ter, em 2025, 7 milhões de pobres a mais do que a média atual, o que representaria 42% da população

 

Madri – Aproximadamente 25 milhões de europeus estarão imersos na pobreza em 2025 se os governos não deixarem de aplicar as medidas de austeridade, dos quais 8 milhões serão espanhóis, ou seja, um a cada três novos pobres do velho continente.

Este “panorama catastrófico” é o mesmo contemplado no relatório “a armadilha da desigualdade”, realizado pela ONG Intermón Oxfam em diferentes países europeus, enquanto os dados sobre a Espanha, apresentados nesta quarta-feira em entrevista coletiva, indicam que a sociedade será mais desigual e mais pobre se não houver mudanças de rumo.

Segundo o estudo, se essa tendência atual for mantida, a Espanha poderia ter 20 milhões de pobres em 2025, 7 milhões a mais do que a média atual, o que representaria 42% da população.

A diretora de pesquisa da Intermón e co-autora do relatório, Teresa Cavero, ressaltou que o número de pobres aumenta em meio milhão a cada ano desde 2008 e, por isso, alertou que “estão sentando as bases de uma sociedade extremamente injusta”, assim como a desigualdade está “disparando”.

Antes da crise, 20% dos mais ricos ganhavam 5,3 vezes a mais que a mesma parcela mais pobre e, em 2025, essa diferença poderia se situar em 18 vezes a mais.

O relatório também destaca a existência de “uma pobreza ativa”, que ocorre entre a população ativa; “uma Bolsa de pobreza crescente”, que, segundo Teresa, tem sua origem na reforma laboral – que favorece a demissão e os empregos precários -, e a diminuição da capacidade de negociação com as empresas.

A responsável da Intermón Oxfam ressaltou que a Europa enfrenta o problema de uma “geração perdida” e alertou que demorará 25 anos para os países do velho continente recuperar os níveis de bem-estar registrados em 2008.

De acordo com os responsáveis da ONG, Europa e Espanha caminham em direção a uma sociedade “dualista”, muito mais pobre, injusta e desigual, embora tenha ressaltado que “a boa notícia é que há soluções”.

Neste aspecto, a ONG defende um “giro rotundo” das políticas de austeridade e propõem medidas urgentes, como a resolução do problema da dívida pública, mudanças no sistema financeiro, programas de estímulo econômico centrados na criação de emprego e mais investimentos em serviços públicos.

Anúncios
Nota | Esse post foi publicado em Mundo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s